ISSN electrónico: 2007-8951
Volumen 49/ Número 194, julio-septiembre 2018

Desregulamentação cambial, fuga de capitais e dívida: a recente experiência argentina

Magdalena Rua, Nicolás Zeolla

A partir de 2011, a Argentina implementou uma série de controles cambiais que chegaram a incluir a proibição de aquisição de moeda estrangeira para fins não produtivos. Em dezembro de 2015, após a mudança de governo, todas as regulamentações cambiais foram eliminadas para níveis até anteriores à crise de 2001-2002. A implementação dessas reformas foi baseada na visão mainstream, com a expectativa de que a saída de recursos para o exterior fosse revertida. No entanto, após a suspensão dos controles, de acordo com as informações da balança de câmbio do Banco Central da República Argentina (BCRA) sobre a Formação de Ativos Externos (FAE), se observa que, para o primeiro ano, o montante que “escapou” para o exterior duplicou. O financiamento da maior saída de divisas foi possível por meio do aumento do endividamento externo.

Mots clés: mercado de câmbio; regulação bancária; fuga de capitais; dívida externa; padrão de acumulação.

Rendição de contas e destino da dívida pública do Governo da Cidade do México

Marcela Astudillo, Raúl Porras

Este artigo explora a rendição de contas do governo da Cidade do México em relação à sua dívida pública no período 1999-2015. As questões colocadas são: a quais projetos se destinam os recursos provenientes da dívida pública? A prestação de contas permite avaliar os projetos financiados com dívida pública? Apesar da legislação estabelecer a obrigação de tornar o destino da dívida mais transparente, se evidenciou uma prestação parcial de contas em todos os tipos de financiamento, tais como: bancos privados, banco de desenvolvimento, Mercado de Valores e Parcerias Público-Privadas (PPP). Além disso, a opacidade é total em termos de avaliação dos resultados obtidos. Através de um teste de cointegração da dívida e do investimento público, se pode afirmar que o total da dívida pública tem um certo efeito sobre o comportamento do investimento público na Cidade do México.

Mots clés: Cidade do México; rendição de contas; dívida pública; investimento público; finanças públicas.

Acumulação de capital e crescimento estatal no México: uma análise com panel de dados

Domingo Rodríguez Benavides, Miguel Ángel Mendoza González, Miguel Ángel Martínez García

No presente texto, se estuda a ligação entre o crescimento econômico e a acumulação do stock de capital industrial estatal por meio de técnicas de panel no período 1960-2012. A análise é realizada em dois momentos: o período da industrialização nacional (1960-1982) e o das reformas estruturais (1983-2012). Os resultados mostram uma relação de longo prazo em ambos os períodos, mas com o sinal oposto ao esperado no último, o que sugere que a desaceleração do capital industrial pode explicar a diminuição da velocidade do crescimento nas últimas três décadas. Este resultado é confirmado com a queda da manufatura, assim como de outros indicadores econômicos. Os resultados dos testes de causalidade mostram a bidirecionalidade entre ambas variáveis, demonstrando assim um círculo virtuoso entre o crescimento e a acumulação.

Mots clés: industrialização; crescimento econômico; acumulação de capital; investimentos; dados em panel.


Política governamental vs. política pública: avatares dos parques eólicos no Istmo de Tehuantepec

Roberto Diego Quintana

O governo do México promoveu a instalação de parques eólicos, argumentando que é uma energia limpa (qualidade, parcialmente verdadeira). A estratégia de implementação do governo tem favorecido as corporações transnacionais, contra as comunidades originais que estão perdendo o controle sobre seus territórios, que foram ocupados por essas empresas, causando uma deterioração ecológica, social, política e cultural. No Istmo de Tehuantepec, uma parte significativa da população original se organizou para resistir e reverter esse processo, exigindo uma política pública inclusiva e participativa.

Mots clés: Istmo de Tehuantepec; parques eólicos; energia elétrica; transnacionais; políticas públicas.


Mineração em larga escala e conflitos sociais: uma análise para o sul do Equador

Priscilla Massa-Sánchez, Rosa del Cisne Arcos, Daniel Maldonado

Esta pesquisa busca analisar o desempenho da lei de mineração em relação aos projetos de mineração em grande escala, e considera o projeto Mirador como estudo de caso. O trabalho descreve especificamente a participação dos cidadãos e a posse da terra durante o processo de execução do projeto. As informações utilizadas provêm de fontes bibliográficas, bem como da aplicação de entrevistas aos habitantes da zona de influência direta do projeto, e de entrevistas semi-estruturadas a informantes-chave e líderes comunitários. Os principais resultados mostram a presença de conflitos sociais e a insatisfação dos moradores quando não são levados em conta nos processos decisórios.

Mots clés: mineração; projeto Mirador; transnacionais; legislação de mineração; conflitos sociais.


Desenvolvimento desigual e trabalho potencializado na zona do euro

Fahd Boundi Chraki

O objetivo da presente pesquisa é oferecer evidências empíricas para apoiar a hipótese, segundo a qual, o desenvolvimento desigual da zona do euro é explicado pelas diferenças na quantidade empregada de trabalho potencializado em relação ao trabalho social médio da região. Para este efeito, foi construído um panel de dados dinâmicos, constituído pelos sete principais países da área do euro com seus respectivos setores manufatureiros para o período 2000-2014. O teste de causalidade de Granger sugere que as disparidades intra-setoriais na compensação do capital são causadas pelos níveis relativos dos custos laborais unitários reais, pela intensidade do capital e pela taxa de acumulação.

Mots clés: zona euro; trabalho potencializado; desenvolvimento desigual; setor manufatureiro; dados de panel dinâmicos.


Impacto da Imperial Germany de Veblen nas abordagens da teoria estruturalista e de dependência

William Baca

Este artigo identifica pontos em comum e diferenças entre o estruturalismo latino-americano, a teoria da dependência e o texto Imperial Germany (1915) de Thorstein Veblen. A conexão é explorada em aspectos como “dependência no caminho”, tecnologia e política econômica. A Imperial Germany se assemelha a várias das principais recomendações políticas dos estruturalistas e teóricos da dependência. No entanto, o estruturalismo está mais próximo das idéias dos institucionalistas e do próprio Veblen. Em conclusão, os estruturalistas e a versão de Veblen na Imperial Germany concordam que uma política industrial deveria ser guiada pelo governo, embora Veblen e os institucionalistas claramente apresentem a mudança social através de melhorias tecnológicas, algo que o estruturalismo não descreve.

Mots clés: América Latina; estruturalismo; teoria da dependência; Thorstein Veblen; desenvolvimento econômico.